Translate

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Uma tarde em Atibaia, SP

Este post é em homenagem à minha amiga Gabi. Em 26/01 estivemos em Atibaia, que fica a menos de 70 km de São Paulo, para um reencontro de amigas “4 anos depois”, e ela me disse que nosso passeio tinha que virar post. Então, aqui está:

Depois de muito comermos na casa dela, fomos dar umas voltinhas pela cidade. Alguém lançou a ideia de irmos à Pedra Grande, ponto mais alto e principal ponto turístico da cidade. Mas estava muito calor, e já não teríamos tempo de fazer a caminhada para subir a Pedra. Então resolvemos ir pra Pista de Pouso (clique aqui para ver a localização). Não havia ninguém pousando, mas a vista “de baixo pra cima” é linda!

A Predra Grande, vista da Pista de Pouso

Gabi, Marcelo, Gustavo, Dani e Neide, minha companhia nesta linda tarde ensolarada!

Estive na Pedra há alguns anos. De lá, costuma-se saltar de asa-delta e parapente. Para os menos corajosos, mas cheios de disposição, o ideal é fazer a caminhada de cerca de 3 km. E, para os mais preguiçosos, dá pra chegar de carro bem pertinho do cume. Tem pra todos os gostos!

Pra quem decidir encarar a caminhada, há 3 opções de trilhas que levam ao cume, todas partindo do final do condomínio Arco-Íris, bairro que fica bem próximo à Pista de Pouso: Minha Deusa (2,4 km), Mangueira (2,6 km) e Monges (3 km).

1º de maio é tradicionalmente a data em que a Pedra recebe mais visitantes, então evite esta data caso não queira “disputar” o caminho e deseje alguns momentos de contemplação tranquila e descanso ao chegar ao topo.

Do alto da Pedra é possível ver as cidades vizinhas (Bom Jesus dos Perdões, Bragança Paulista, Jundiaí, Nazaré Paulista, Piracaia), além do Pico do Jaraguá, Serra do Japi, Pico do Lopo e Pico do Selado.

Depois, resolvemos fazer o passeio de Teleférico, que eu simplesmente amo! Ida e volta a R$ 10. A vista, principalmente na descida, é muito bacana! Passeinho muito bom para uma tarde de sol.

Passeio de Teleférico

Passeio de Teleférico

Passeio de Teleférico

Passeio de Teleférico

A Pedra Grande, vista do teleférico (descida)

Passamos pela Av. Prof. Lucas Nogueira Garcez, que é onde você vai encontrar a maior concentração de bares e restaurantes em Atibaia. O Seo Dito nos foi bastante recomendado, mas acabamos optando por outros rumos naquele dia.

Mas vale uma dica de uma outra ida nossa à cidade: o Gularejo, restaurante muito charmoso nessa mesma avenida. Recomendo muito o risoto de filé mignon com queijo gorgonzola. Divino! Pra sobremesa, bananas flambadas com sorvete de creme.



Casquinha de siri do Gularejo

Risoto de filé mignon com queijo gorgonzola

Ravioli de massa verde com mussarela de búfala e molho de tomates frescos

Banana flambada com sorteve de creme
A cidade é também conhecida pelas flores e morangos: a Festa das Flores e Morangos é realizado todo ano, em setembro. 

Retornamos lá em setembro de 2014 e aproveitamos pra conferir a festa, que é muito bem organizada! Os preços são salgadinhos (a começar pelo ingresso: R$ 25 a inteira), típico deste tipo de festival, mas vale a pena! 

Tem uma infinidade de "pratos" feitos com morango (merengue de morango, pastel de morango, espeto de morango com chocolate, torta de morango, suco de morango, morango in natura...).



Lá assistimos uma apresentação muito bacana de Taiko (os tambores folclóricos da cultura nipônica, acompanhados das flautas de bambu). Lindo!




A parte das flores é de encher os olhos! A apresentação é muito bem elaborada e as flores ficam disponíveis para venda.







Na cidade também há várias opções de turismo rural, com roteiros pra voltar várias vezes pra lá, alguns do quais em períodos limitados durante o ano.

Posts relacionados:


 

Bairro da Serrinha: natureza, diversão, arte e gastronomia em Bragança Paulista

 

Pra relaxar no litoral norte de SP: 2 dias em Maranduba – Ubatuba

 

1 dia em São Roque/SP, com Ski Montain Park

 

Climinha de inverno: 1 dia em Santo Antônio do Pinhal

 

Embu das Artes: galeria a céu aberto na Grande SP



sábado, 18 de janeiro de 2014

[Fechado :-( ] Estação Ouro Preto, em Guarulhos

Hoje o happy hour com o Marido e amigos queridos foi no Estação Ouro Preto, cafeteria, doceria e gastrobar, em Guarulhos.

O ambiente é único na cidade. Intimista (todas as mesinhas são para dois, pra ir bem acompanhado), funcional (uma tomada para cada mesa, se quiser passar a tarde trabalhando), agradável, ([boa] música ao vivo às sextas-feiras, para o happy hour)...






O atendimento é ótimo e o cardápio de dar água na boca!

Estivemos lá ontem e me acabei no Capuccino com Nutella (ma-ra-vi-lho-so!), broinhas de milho com manteiga Aviação, pão de queijo, Fresh Coffee (caipirinha de café, sem álcool), café expresso, torta de frango...

Capuccino com Nutella


Fresh Coffee (caipirinha de café, sem álcool)

Hoje tivemos que repetir a dose! Fomos de Amassadinho de Peito de Peru, Pão Rústico (divinos!), e reprisamos o Fresh Coffee, o Capuccino com Nutella e o expresso. E já estamos programando a próxima visita!



Amassadinhos de Peito de Peru


Pão Rústico
Caldinho de feijão (com queijo em cima), que eles estão servindo agora no inverno: divino! (atualização: jul/14)

Acompanhe os horários e programação na página oficial, no Facebook (link acima).

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

1 dia em Belém, Pará

Nossa viagem pra Belém foi um pouco mais ”família”, pra comemorar os 80 anos da minha avó, em outubro de 2013. Mas não poderia deixar de mostrar um pouquinho do lugar pro Marido, e revisitar um pouco da cidade, aonde eu já não ia há 12 anos! Tios e tias sempre muito hospitaleiros nos levaram pra passear por lá.

No primeiro dia, demos umas voltinhas de carro pela cidade e fomos à Universidade Federal do Pará, à beira do rio Guamá.

Campus da Universidade Federal do Pará, em Belém, às margens do Rio Guamá

No segundo dia, de manhã, fomos tomar café no Ver-o-Rio. Tapioca quentinha, suco de cupuaçu... Muito bom!

Ver-o-Rio

De lá, fomos pra Estação das Docas, complexo turístico e cultural que congrega gastronomia, cultura, moda e eventos na orla fluvial do antigo porto de Belém, dividido em três armazéns (Boulevard das Artes, Boulevard da Gastronomia, Boulevard das Feiras e Exposições), teatro e um terminal de passageiros.

Nas barraquinhas do Armazém 1 (Boulevard das Artes), aproveitamos pra comprar bombons de cupuaçu, de castanha do Pará e de açaí, além do “cheirinho do Pará”, composto por priprioca e outras ervas e raízes. Lá encontramos também vários cosméticos com compostos naturais típicos da região, como andiroba, copaíba, buriti, patchouli, pracaxi... Recomendo levar um “estoque” pra casa!

Estação das Docas

Atravessando a rua, fomos almoçar no Point do Açaí, que fica num lindo casarão de três andares tombado pelo Patrimônio Histórico. Lá, você poderá degustar um açaí acompanhado de peixe frito, pirarucu, charque e outros pratos.

De lá, retornamos à Estação das Docas, pra tomar sorvete na Sorveteria Cairu, rede de sorveterias tradicional de Belém. Recomendo o de tapioca (maravilhoso!), o carimbó (castanha do Pará e doce de cupuaçu) ou o de cupuaçu. Entre os sabores regionais, se destacam também os de bacuri, açaí, taperebá, mangaba, muruci e mestiço. São mais de 60 sabores!

Fomos conhecer a Casa das Onze Janelas, palacete do século XVII que hoje abriga, além do espaço museológico, o restaurante “Boteco das Onze”.

Parte de trás da Casa das Onze Janelas

Ao lado da Casa, fica o Forte do Castelo (ou Forte do Presépio), que comporta dois espaços de exposição: na área externa, o “Sítio Histórico da Fundação de Belém” e, na área interna, o “Museu do Encontro”, que trata da colonização portuguesa na Amazônia, onde estão expostos artefatos indígenas, uma coleção de muiraquitãs, além de material arqueológico proveniente do entorno do Forte.

Forte do Castelo (ou Forte do Presépio)

Forte do Castelo (ou Forte do Presépio) com o Mercado Ver-o-Peso, ao fundo

Seguimos para o Mangal das Garças, onde você não pode deixar de ir. Às margens do Rio Guamá, com uma beleza exuberante, o complexo é composto por 10 espaços, que congregam fauna, flora, cultura e gastronomia: Borboletário, Farol de Belém, Viveiro das Aningas, Memorial Amazônico da Navegação, restaurante Manjar das Garças, Mirante do Rio, Armazém do Tempo, Fonte de Caruanas, Lago Cavername e Lago da Ponta. E foi lá que, por volta das 16h, tomamos a tradicional chuva de Belém.

Guarás, no Mangal das Garças

Garça, no Mangal, com o Borboletário ao fundo

Mangal das Garças

A chuvinha de Belém, no Mangal das Garças

Passada a chuva, fomos ao Portal da Amazônia, “janela” para o Rio Guamá.

Entardecer, no Portal da Amazônia, logo após a chuva

Entardecer, no Portal da Amazônia, logo após a chuva

Pra finalizar, encontro com a família para um café na Bella Belém, que fica bem próximo a outro lugar em que pretendíamos ir, mas não houve tempo: o Café Trindade.


Passando por lá, não deixe de tomar um tacacá, prato típico da região, preparado com tucupi, goma de tapioca, camarão e jambu.

Se for ficar mais tempo no Pará, tente dar uma esticadinha para a Ilha de Mosqueiro (“praia” de água doce), Salinópolis, e Ilha de Marajó. Estive nestes lugares há muito muito tempo, mas são inesquecíveis! Vale a pena conferir!


Posts relacionados:


 

2 dias (e meio) em Natal/RN

 

3 dias em Belo Horizonte, com Ouro Preto, Mariana e Inhotim

 

Natal na Serra Gaúcha: 4 dias em Gramado, Canela e Nova Petrópolis

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Le Vin: um pedacinho de Paris em São Paulo

No dia 02/01, aproveitando o clima de “férias”, fomos ao Le Vin Patisserie, na Alameda Tietê, 178, cinco quadras abaixo da Av. Paulista, descendo pela Rua Augusta, sentido Jardins. 

Indo de carro, dá pra estacionar na rua mesmo. Mas, se você não achar vaga ou preferir, eles tem serviço de valet. Se for de metrô, a estação mais próxima é a Consolação – Linha Verde.

Eu havia ido com amigas semanas antes e simplesmente adoramos o lugar!

Com um ambiente muito agradável, a patisserie, além de fornecer sobremesas ao Le Vin Bistro, que fica ao lado, funciona como café e restaurante, disponibilizando o próprio cardápio e também o do bistrô. Como acho o ambiente do bistrô um pouco mais “sofisticado”, prefiro sempre a patisserie, que é mais descontraída.





Dessa vez, optei por um “Croque Madame”. Já o Marido, optou pelo cardápio do bistrô, e escolheu um filet mignon grelhado com molho de mostarda e batatas gratinadas (meia porção foi suficiente). Pra finalizar, macaron e Nespresso (eles tem sobremesas tentadoras, mas não troco macaron e café por nada!). Tudo muito bom!

Croque-madame

Filet mignon grelhado com molho de mostarda e batatas gratinadas (meia porção)



Não é dos mais baratos (o cardápio completo do Bistro, com os preços, você encontra no site). Mas a comida, o atendimento e o ambiente compensam!

Saindo de lá, atravessamos a rua para a Le Vin Boulangerie, a padaria do grupo, porque eu precisava de um pacote dos petit-fours que acompanharam meu café! E foi difícil não sair de lá cheia de sacolas com guloseimas!

Le Vin Boulangerie
Atualizando... em 27 fev. 2015: hoje fomos de novo ao Le Vin. Recomendações do dia: risoto de camarão com salada de rúcula no bistrô e petit macarons de limão siciliano e de frutas vermelhas na boulangerie. Água na boca só de lembrar!

Posts relacionados:


 

Bistrot de Paris, em São Paulo

 

Cinema: “A Família Bélier”


Fondue no Spazio Gastronômico, no Itaim Bibi

 

4 dias em Houston, Texas

Comumente lembrada pela célebre frase “Houston, we have a problem”, do filme Apollo 13, sobre a missão espacial de mesmo nome, Houston é a cidade mais populosa do Texas e a quarta mais populosa dos EUA. Lá estão localizados o Houston Medical Center (o maior conglomerado de instituições médicas e de pesquisa do mundo) e o Lyndon B. Johnson Space Center, da NASA, que abriga o Centro de Controle de Missões.

Painel sobre a Apollo XIII, no Space Center da NASA

Ficamos em Houston de 27-31/12/2013, na casa de amigos que moram lá (os mesmos que encontramos em Washington, DC – veja o post).

Como estávamos com nossos amigos, muito hospitaleiros e com muita disposição para passear conosco em seu “pequeno” carro de 8 lugares, não precisamos alugar um. Mas, assim como no post sobre Washington, recomendo alugar um carro nas suas idas para os EUA, porque é barato, dá mais mobilidade e vale a pena, exceto se estiver em grandes cidades, servidas por linhas de metrô extensas e com muito trânsito, como Nova Iorque.

Dia 1

Almoçamos no Cracker Barrel, loja e restaurante tematizados com estilo country. A decoração lembra as antigas lojinhas de conveniência do interior, com cadeiras de balanço de madeira em frente... A comida é típica da região sul dos EUA (southern food), com frango frito, catfish, milho... Os pãezinhos para a entrada também são ótimos! E a lojinha tem uns itens muito lindos, entre brinquedos, vestuário, decoração, doces... Imperdível!


Cracker Barrel

De lá, fomos para o Zoológico de Houston, onde vivem mais de 6.000 animais, de mais de 900 espécies. Vimos umas espécies bem diferentes por lá. É um ótimo programa pra todas as idades!

Houston Zoo

À noite, fomos ao Houston Toyota Center, para assistir a um jogo de basquete, entre o Houston Rockets e o New Orlean Pellicans. É um verdadeiro show! Muito emocionante, porque até o último minuto não sabíamos quem ganharia o jogo (por fim, o Rockets foi o vencedor daquela noite)! Se você for assistir a um jogo lá, tente um estacionamento distante duas ou três quadras. Para nós, custou $5, contra os $30 que estavam cobrando nos estacionamentos mais próximos.

Houston Toyota Center

Dia 2

De manhã, fomos à Igreja de Cristo em Kingwood, igreja que frequentamos aqui no Brasil.

Igreja de Cristo, em Kingwood

Almoçamos no Fuddruckers (não pode faltar junk food numa viagem aos EUA!). O ambiente é muito gostoso e as saladas e temperos para os hambúrgueres são “a gosto do freguês”, o que pode tornar a sua refeição um pouco mais “saudável”. Independente das calorias, é ótimo!

Próximo de lá, passamos por uma ruazinha, onde nossa amiga nos levou a uma loja de porcelanas muito bacana: a The Mudpie Company. Lá, você paga pela peça “crua” que escolher, e poderá se acomodar em uma das mesinhas pra pintar a peça do jeito que desejar. Depois, você deixa secando (você pode continuar sua peça num outro dia) e eles se encarregam de colocar no forno para dar o acabamento. Se estiver com tempo, pode ser um programa bem relaxante e divertido.

The Mudpie Company

No fim da tarde, fomos visitar parentes dos nossos amigos, em Livingston, uma cidadezinha de pouco mais de 5.000 habitantes a cerca de 1h20 de Houston. O ambiente era daqueles de cinema: casinha no campo, ainda decorada para o Natal, cupcakes, xícaras enormes de café, folhas secas enchendo o chão do quintal atrás da casa...

Jantamos na CiCi’s Pizza., que tem buffet de saladas, massas, pizza (claro!) e sobremesas por um preço fixo que vale muito muito a pena (era $5 por adulto!).

Na volta, passamos em San Jacinto County, onde fizemos um drive-thru pela tradicional decoração de Natal do casal Bob e Diane Hanley, no Hanley’s Christmas Ranch, com inúmeros enfeites e cerca de 240.000 lâmpadas! Simplesmente lindo!

Hanley's Christmas Ranch

Dia 3

Saímos de casa um pouquinho mais tarde e almoçamos no Five Guys (mais junk food para o almoço rs), que é gostosinho, mas nada espetacular.

De lá fomos ao Space Center, da NASA, o Centro Espacial de Houston. Entre outras coisas, estivemos na sala de controle onde a equipe de comando recebeu a notícia dos problemas enfrentados pelos astronautas da Apollo 13. Não deu pra ver tudo, pois o Space Center estava muito cheio neste dia, com filas bem maiores do que de costume. Mas é, sem dúvida, um must see de Houston, principalmente se estiver com crianças.

Sala de Controle preservada, no Space Center, da NASA
Painel no Space Center
Space Center
Jantamos no Rainforest Café, no shopping The Galleria. Pudemos conferir as “tempestades” que ocorrem na “floresta” do restaurante temático (os “animais” se mexem, fazem barulho, ouvem-se raios e trovões, o “céu” escurece...) e, como era aniversário do Marido, pedimos o delicioso “Volcano”, brownie com sorvete montado em forma de vulcão, com direito ao tradicional “parabéns pra você” cantado pelos garçons no estilo “Rainforest”! Um “Volcano” dá para quatro pessoas, tranquilamente.

Volcano, no Rainforest Café
Dia 4

No último dia, ficamos em casa boa parte do tempo. À tarde, saímos para umas comprinhas rápidas. Fomos apresentados à Ross Dress for Less, loja de descontos que, às 4h da tarde já estava sem estoque (dizem que os preços são enlouquecedores), e à Forever 21, rede de lojas de roupas e acessórios, de onde eu não queria mais sair! As peças são lindas e o preço bastante acessível.

De lá, tivemos que correr pra pegar as coisas e ir para o aeroporto. Hora de ir embora...

Como ficamos na casa de amigos, demoramos mais para fazer algumas coisas, pois o tempo era especialmente para aproveitar a companhia deles. Acredito que, com um bom roteirinho em mãos, 4 dias seja um período suficiente para ficar em Houston, conhecer o must see de lá e fazer umas comprinhas. Para maiores informações, siga o link (clique aqui).

Posts relacionados:



5 dias em Nova Iorque

 

San Francisco, Los Angeles e Las Vegas: da costa do Pacífico ao Deserto de Mojave em 10 dias