Translate

sábado, 28 de março de 2015

Nico Hamburgueria: um “túnel do tempo” no Ipiranga

Nossa “descoberta” de hoje é um restaurante, um passeio e uma viagem...

Situada no Ipiranga, a Nico Hamburgueria já conquista quando ainda estamos na calçada, esperando pra entrar. Havia espera esta noite, mas nem vimos os 15 minutinhos passarem, porque nos perdemos completamente em meio aos bonecos na prateleira da entrada principal: do “Chucky – O Boneco Assassino” ao “Bob Esponja”, do “Fofão” ao “E.T. – O Extraterrestre”, da "Turma da Mônica" aos "Minions" (são cerca de 2.000 bonecos, segundo o site).



Lá dentro, observávamos boquiabertos tudo que é tipo de coleção: mini-garrafinhas da Coca-Cola; placas de numeração de casas; relicários; espelhos; bonequinhos colecionáveis menores; além de bicicletas antigas; aparelho de “orelhão” vermelho, daqueles de colocar ficha; quadros; uma marionete enorme do Pinóquio; caixa registradora antiga, daquelas bem grandes...






O cardápio vem em uma prancheta. Pra começar, pedimos batata rústica (temperada com alho frito e alecrim: muito gostosa!). 

Difícil escolher entre os hambúrgueres com nomes de personagens de desenho animado. Escolhemos “Cebolinha” (hambúrguer de picanha, cebola caramelizada e queijo cheddar no pão italiano: muito bom!), “Smurfs” (hambúrguer de picanha, onion rings, pasta de gorgonzola no pão da casa: bom, mas um pouco seco) e “Frangolino” (hambúrguer de frango, queijo da casa, champignon na manteiga, alface e tomate no pão tradicional: esse eu não experimentei, mas quem pediu gostou). Refrigerante servido naqueles copinhos de boteco, os condimentos e guardanapos dentro de marmitas de alumínio, daquelas bem antigonas.

Batata rústica
"Smurfs"
"Frangolino" (foto: Thayane Scarpelli)
Até o banheiro traz surpresas: destaque para a “pia” adaptada com canos expostos e uma banheira antiga.

No andar de cima, um lounge com mobiliário antigo, tipo casa da vó, com televisão de tubo, geladeira vermelha com vááários pinguins em cima, enfim... é uma viagem à infância, e uma viagem no tempo.

Na casa da vó?!

sexta-feira, 27 de março de 2015

Restaurante Spot, em São Paulo

Na terça-feira, a very happy hour com as amigas foi no Spot da Paulista (eles também tem uma unidade no Shopping JK).

Logo de cara, não é dos mais “descontraídos”, mas depois fica tudo certo.  Também não é dos mais baratos, mas o preço é justo, porque vale o quanto custa.

A arquitetura é muito bacana: o Spot é como uma “caixa” de vidro no meio de uma praça. Com a iluminação noturna, fica lindo e dá mesmo curiosidade de entrar. O restaurante é frequentado por executivos, artistas, jornalistas e figuras do mundo fashion (de fato, havia algumas por lá nessa noite). Mas vamos ao que realmente interessa: a gastronomia.


O ambiente interno do Spot  (foto: divulgação)
O cardápio é bem variado. Fiquei muito tentata pelo “steak gorgonzola”, e as meninas também tiveram dificuldade em decidir entre tantas opções! Acabei escolhendo o “prato do dia” (era uma terça-feira): “boef bourguignon ‘estilo Spot’ com batatas crocantes e arroz”. Ma-ra-vi-lho-so! Sem contar que o prato é muito bem servido, teria dado pra dividir tranquilamente.

                                 Bœf bourguignon ‘estilo Spot’ com batatas crocantes e arroz (foto: divulgação)
Na hora da sobremesa, a escolha também foi difícil, porque absolutamente TUDO parece muito bom! Mas, já que tínhamos que escolher, fomos de crumble de maçã com sorvete de creme (mas confesso: o do Pé de Manga ainda é imbatível) e profiteroles (com sorvete de doce de leite, calda de chocolate e praliné de amêndoas). Nem sei dizer o que era mais gostoso!

Crumble de maçã com sorvete de creme (foto: divulgação)
Boa gastronomia, ambiente agradável e em ótima companhia, o Spot é, sem dúvida, um lugar pra reprisar várias vezes!

P.S.: as fotos dessa vez eu tirei do site do restaurante, porque estou com "probleminhas técnicos" com meu celular...

quinta-feira, 26 de março de 2015

Musical: “Ópera do Malandro”

Imagem: divulgação

Domingo foi dia de mais um musical que estreou em São Paulo no dia 13.03. Dessa vez, um clássico brasilero: a “Ópera do Malandro”, escrita por ninguém menos que Chico Buarque (1978). Com direção de João Falcão, o elenco conta com apenas uma mulher, sendo que alguns dos atores se dividem em mais de um personagem, entre o masculino e o feminino.

Inspirado em “A Ópera do Mendigo”, de John Gay, e “A Ópera dos Três Vinténs”, de Bertolt Brecht e Kurt Weill, o musical se passa na década de 1940 e conta a história do contrabandista Max Overseas, que casa em segredo com Teresinha, filha de Duran, poderoso cafetão. Tem como pano de fundo o submundo da prostituição, do contrabando e da corrupção, ilustrada pelo personagem Chaves, chefe de polícia envolvido com os negócios escusos de Duran e de Max. Todas as interpretações são espetaculares, mas o ponto alto da peça é a interpretação de “Geni e o Zepelim”: de tirar o fôlego!

A temática não poderia ser mais atual. Não importa o “lado” (pois acredito que devamos ser todos a favor do “verde e amarelo” e contra a corrupção, seja ela vermelha, amarela e azul ou furta-cor), a história é atemporal e é impossível não nos identificarmos. Para se divertir e refletir.

®¯Teatro Net SP | Rua Olimpíadas, 360 | Vila Olímpia | São Paulo/SP | http://www.ingressorapido.com.br/evento.aspx?ID=38994

Posts relacionados:


(FECHADO) “Tem Coragem?”: mais da gastronomia nordestina em Guarulhos

Nosso lugarzinho de hoje é mais uma boa pedida pra quem gosta de (boa) comida nordestina.

Num ambiente amplo, com uma gravura enorme de cordel na parede, namoradeiras, cactos, tecido florido nas mesas e cadeiras e artesanato típico compondo a decoração, o Tem Coragem? é um desses restaurantes que conquistam pelo ar aconchegante que nos remete a outro lugar.




O cardápio é variado e muito bem elaborado. Dadinhos de tapioca, baião de dois e um ma-ra-vi-lho-so escondidinho de carne seca foram nossas escolhas de hoje.

Dadinhos de tapioca e baião-de-dois
De sobremesa, Cartola (doce de banana e queijo coalho fritos, com mel de engenho, açúcar e canela) e sorvete Tropicália (uma bola de abacaxi, outra de coco, com uma deliciosa calda de manga), servido numa “taça” feita de casca de coco seco que só lá mesmo! Muito bacana!


"Cartola"

"Tropicália"
ä Av. Serra Redonda, 54 | Jardim São João | Guarulhos/SP| (11) 2922-1768
Posts relacionados:


Empório 33: um "achado" (literalmente!) em Guarulhos

 

3 dias em Fortaleza, com Canoa Quebrada, Beach Park e Cumbuco

 

Bar e Restaurante do Compadre, em Guarulhos

 

2 dias (e meio) em Natal/RN

 

Dijon – Champanharia e Creperia, em Guarulhos

Musical: “Dias de Luta, Dias de Glória – Charlie Brown Jr. – O Musical”

Imagem: divulgação
Esse é pra quem é fã. O musical, que estreou em São Paulo no dia 13.03, procura retratar a trajetória do Charlie Brown Jr. desde a adolescência do vocalista Chorão, único integrante que esteve em todas as formações da banda, o que faz dele inevitavelmente o personagem principal da história.

Escrito por Well Rianc (com contribuições de amigos e familiares, especialmente do Alexandre, filho do Chorão) e dirigido por Bruno e Luiz Sorrentino, o espetáculo conta com 25 atores e 10 músicos que dividem espaço com uma pista de skate (que não poderia faltar!). Grafites do Sipros também compõem a cenografia.

O relato passa pela chegada do Chorão a Santos, aos 17 anos, em 1987; a formação da banda; o reconhecimento comercial; até a trágica morte do vocalista e também a do baixista Champignon, ambas em 2013.

Mesmo com toda a polêmica sobre a forma como a história foi contada (inevitável em qualquer biografia), se você é fã de carteirinha da banda – como eu – vai se contentar em ver um pouco mais do Charlie Brown Jr. na impressionante performance do DZ6, que incorporou os trejeitos e conseguiu uma aproximação vocal incrível do Chorão! Pra matar um pouco a saudade.

E apesar da forma – a verdade seja dita – muito superficial como a Graziela Gonçalves foi retrada, valem as interpretações musicais da cantora Patrícia Coelho! Graziela foi a última esposa do Chorão, com o nome alterado para “Gabriela” no musical, embora a produção afirme que a personagem retrata, na verdade, várias mulheres que teriam passado pela vida do vocalista após a fama. A-han...


O espetáculo deve passar, além de SP, por Santos, Curitiba e Rio de Janeiro.


®¯Teatro Gamaro | Rua Dr. Almeida Lima, 1176 | Mooca |São Paulo/SP | http://www.ingressorapido.com.br/evento.aspx?ID=38807


Posts relacionados: