Translate

sábado, 22 de agosto de 2015

Exposição: Frida Kahlo, por Reynaldo Berto


Tivemos uma grata surpresa na nossa ida ao Shopping Frei Caneca hoje para “O Pequeno Príncipe”: uma exposição homenageando Frida Kahlo. Um dos ícones da “libertação” no universo feminino, pela quebra de padrões de moda e beleza (e, que contrassenso, Frida está hoje “na moda”!), a pintora e poetisa mexicana, que nasceu e morreu no mês de julho, é a temática das obras do artista plástico paulistano Reynaldo Berto nessa pequena exposição cheia de cores vibrantes, no 3º piso do shopping. Vale a pena conferir! Até 31.08. Grátis.

Cinema: O Pequeno Príncipe

(Imagem: divulgação)
Hoje fomos ao Espaço Itaú de Cinema, no Shopping Frei Caneca, pra conferir um filme que eu contava os dias pra estrear: “O Pequeno Príncipe”, adaptação do livro homônimo do francês Antoine de Saint-Exupéry. Escrito em 1943, a história é atemporal e encanta gerações ao longo das décadas, sendo o terceiro livro mais vendido no mundo. Este foi o primeiro “livro grande” que li sozinha, aos 8 anos, e também o primeiro que me emocionou a ponto de me fazer chorar. Hoje não foi diferente: a cada cena onde o Aviador relatava à Menina seu encontro com o Pequeno Príncipe, eu ia lembrando o livro e chorando horrores! rs

O livro conta a história de um aviador cujo avião cai no deserto do Saara, onde acaba conhecendo uma figurinha curiosa e misteriosa: o principezinho, que é o centro da narrativa. Cheio de poesia, delicadeza e de pequenas fábulas, aborda temas como infância, dedicação, amizade, natureza, despedida e o “estranho mundo dos adultos”.  Na animação a história ganha novos contornos: contemporâneo, mas igualmente poético.

Para crianças grandes e pequenas. Porque “o problema não é crescer, é esquecer...”

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Lola (e Deco) por aí...

Aqui é onde o blog muda de nome. E onde o “Marido”, com “M” maiúsculo, ganha um nome (ou apelido): ele é o Deco.

Lola s’amuse bien (“Lola se diverte muito”, em francês) estava difícil até pros amigos mais esforçados decorarem. Então resolvi simplificar: lolaedeco, ou “Lola (e Deco) por aí...”

Ele estava comigo em pelo menos 90% dos lugares sobre os quais escrevi aqui. E mesmo naqueles que descubro sozinha, vamos quase sempre juntos. Então hoje ele entra de vez no blog.

O conteúdo e a ideia permanecem os mesmos, só mudamos de endereço ;-) 

“À medida que nós formos, vocês vão com a gente!”

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

4 dias em Santiago, Chile

Esticando o feriado paulista de 09.07, fomos passar 4 dias na capital chilena.

Estadia: Testamos alugar um apartamento desta vez: ficamos no Ruma Departamentos Amoblados – Mario Kreutzberger. Na medida. Mobiliado como um apê, cozinha americana, utensílios domésticos (fogão, geladeira, micro-ondas, liquidificador, talheres, panelas, roupas de cama, toalhas etc.). A desvantagem é não ter limpeza, frigobar e serviços próprios de hotel. É como “morar” no lugar por uns dias. Aprovado!

Condução: Ao chegar a Santiago, tínhamos a dica de pegar os ônibus que fazem o transfer do aeroporto até o centro. Mas, como não queríamos perder tempo procurando, pegamos um taxi. Prefira o ônibus, que é bem mais barato.

Nosso roteiro foi feito basicamente a pé: andamos muito, muito mesmo. E não tem jeito melhor de conhecer uma cidade! Dispensamos o ônibus turístico e usamos o metrô só no último dia.

Moeda: Levamos dólares norte-americanos e pesos chilenos, além do cartão. Voltamos pra casa com dólares, porque, ao contrário do que havíamos lido, muitos lugares não aceitam a moeda, ou, quando aceitam, as notas devem estar per-fei-tas, sem rasguinho ou amassado...

A Cordilheira dos Andes, vista do avião
DIA 1

Já era por volta de 14h30 quando chegamos ao apartamento. Então aproveitamos pra fazer a pé o roteiro das atrações mais próximas.

Seguimos em direção à Av. Brasil. Passamos pela Plaza Brasil. O colorido a praça fica por conta dos brinquedos-escultura construídos ali em 1993, criados pela artista Fédérica Matta, que representam elementos da cultura chilena. Ao longo desses dias, percebemos que as pessoas utilizam bastante os espaços públicos de lazer em Santiago. As praças estão sempre cheias.

Plaza Brasil
Continuamos pela Av. Brasil, onde vimos vários restaurantes e bares. Entre eles, o The Clinic, onde voltamos à noite pra jantar. O The Clinic é uma rede de bares ligada ao jornal político satírico homônimo, que tem sua sede na Rua Monjitas.

Descemos pela Brasil até a Av. Libertador Bernardo O'Higgins, entre as estações de metrô República e Los Heróes, e chegamos ao pequeno bairro Concha y Toro. Monumento histórico nacional, o bairro começou com o palácio de Enrique Concha y Toro, irmão do fundador da famosa vinícola que leva o sobrenome da família. Com sua morte, em 1922, sua esposa resolveu lotear os jardins ao redor da casa para amigos e empresários, que ali construíram seus sobrados, formando o conjunto arquitetônico em estilo neoclássico e gótico, ao redor da Plaza Libertad de Prensa.

Plaza de la Libertad de Prensa, no bairro Concha Y Toro
Subimos novamente, até o Mercado Central, que já estava fechado quando chegamos... 

Pertinho dali, demos uma passadinha no La Piojera, pra conferir o clima do happy hour no famoso “sujinho” santiaguino.

Fachada do La Piojera
Um dos espaços internos do La Piojera
Atravessamos para a Estação Mapocho, estação desativada que hoje abriga um centro cultural.

À noite, voltamos à Brasil, pra "jantar" no The Clinic.

DIA 2

Café da manhã na pequena panaderia na esquina do apartamento. Fomos conhecer o Mercado Central, fechado no dia anterior. Chegamos num horário ótimo, quando o mercado ainda estava abrindo, e não “sofremos” as abordagens invasivas dos funcionários dos restaurantes do Mercado, comentadas em alguns dos blogs em que pesquisamos.

Mercado Central
Descemos em direção ao centro. No caminho, conhecemos a Igreja de Santo Domingo. Chegamos à Plaza de Armas, onde visitamos o Museo Historico Nacional e a Catedral de Santiago. É na mesma praça que fica o Correo Central. Nas imediações, estão também outros prédios históricos, como a Prefeitura de Santiago, a Casa Colorada, o Museu de Santiago, o Ex Congresso Nacional, a Real Casa de Aduanas, os Tribunais de Justiça e o Palácio da Real Audiência.

Catedral de Santiago
Caminhamos pelo Paseo Ahumada, calçadão com lojas, galerias (“passagens”) e restaurantes, além dos tradicionais cafés con piernas (saiba mais sobre eles aqui).

Continuamos até a Plaza de la Constitución, onde fica o Palacio de La Moneda, sede da Presidência da República. Li que embaixo da praça, onde hoje funciona um estacionamento, ficava um bunker onde o general Pinochet se refugiava em momentos tensos do governo. 

É possível assistir à mudança da guarda em frente ao Palacio e também fazer visitas guiadas. 

O Palacio também abriga um centro cultural.

Palacio de La Moneda
Seguimos pelo Paseo Bulnes até o “bairro” Paris-Londres, composto pelas ruas Paris e Londres. Muito charmoso, com ruas de ladrilho e construções em estilo europeu, uma delícia andar por ali! 

Descobrimos no bairro o memorial Londres 38. Momento de reflexão, num lugar onde se viveram os horrores da ditadura chilena.

Paseo Bulnes

Bairro Paris-Londres

Londres 38
No caminho para o Cerro Santa Lucia, paramos numa galeria e almoçamos lomo a lo pobre, prato típico chileno, que equivale ao nosso “bife à cavalo”.

Lomo a lo pobre
Chegamos ao Cerro Santa Lucia, onde visitamos o Centro de Exposição e Comercialização de Arte Indígena CENWE e subimos até o mirante 360 graus, uma espécie de “torre do castelo” a cerca de 630 metros de altitude. Santiago foi fundada ali, na primeira metade do século XVI.

Centro de Exposição e Comercialização de Arte Indígena CENWE

Cerro Santa Lucía

Mirante no Cerro Santa Lucía
Saindo de lá, fomos conhecer a ONA, loja de artesanato andino. Do outro lado da avenida, pela mesma saída do Cerro, tem um centro de artesanato maior e mais em conta.

Seguimos para o bairro Lastarria, reduto cultural e gastronômico da cidade. Paramos para café, petit macaron e bolo na cafeteria La Manzana Confitada.

Subimos pela rua Mosqueto (lá, confeitaria Melinka, o café Mosqueto foram boas dicas que acabamos não usando, além de um restaurante de comida basca, o El Txoko...), em direção à rua Monjitas, onde passamos em frente ao The Clinic (que comentei aí em cima).

Andamos pelo Parque Forestal, até chegar ao bairro Bella Vista, outro bairro gastronômico e boêmio da cidade. Caminhamos um pouco pelo bairro, muito gostoso! Conhecemos a Cian Art Store, um espaço bem bacana que vale a visita, mesmo que você não leve nada! “Jantamos” hambúrguer no Backstage Life, no Patio Bellavista, centro comercial e gastronômico. No bairro destaque também para as ruas Pio Nono e Constitución, com seus bares e restaurantes. Como já era noite, retornamos lá no último dia, para o Cerro San Cristóbal e o La Chascona, sobre os quais vou falar mais pra frente.

Parque Forestal

Patio Bellavista

Hamburger no Backstage Life, no Patio Bellavista
No caminho até o bairro, passando pelo Parque Forestal, fica o Museo Nacional de Bellas Artes.

Mais caminhada, retornamos à rua Monjitas, onde paramos no Inês Arte Café.

Inês Arte Café
DIA 3

O dia foi dedicado a “subir a Cordilheira dos Andes”. Fomos ao Valle Nevado, estação de esqui a 46 km da capital.

Contratamos o passeio pela Mitur Turismo, que fica dentro do Mercado Central e é bem mais em conta que o Turistik, maior empresa de ônibus turístico da cidade.

A estação de esqui ainda estava fechada, porque a neve ainda era pouca. Mesmo assim, pra mim valeu o passeio, porque o caminho é lindo (e as curvas beeeem sinuosas) e eu nunca tinha visto neve *-*

Valle Nevado

Valle Nevado

Valle Nevado

Voltando pra casa, depois de um dia no Valle Nevado
DIA 4

Retornamos a pé ao bairro Bellavista. Primeiro, fomos ao Parque Metropolitano (Cerro San Cristóbal), maior parque urbano do Chile, uma das áreas verdes mais visitadas da cidade. Além de trilhas, piscinas, e de abrigar o Zoológico Nacional, tem o funicular que nos leva ao ponto mais alto do morro (cerro) San Cristóbal, onde fica o Santuario de la Inmaculada Concepción, a 860 metros acima do nível do mar. Vista imperdível!

Vista da cidade, subindo pelo funicular

Vista da cidade, quase no ponto mais alto do Cerro San Cristóbal

Seguimos, ainda no bairro, para a La Chascona, casa-museu do Pablo Neruda.

Entrada da La Chascona, casa-museu de Pablo Neruda

De lá, fomos até o metrô, onde nos dirigimos para a estação Los Dominicos. O destino: Pueblito Los Dominicos, réplica de um típico povoado chileno, no bairro Las Condes. Ruelas com chão de terra batida, casas de estuque, córregos, muito verde e até um poço. Cada “casinha” é uma loja de artesanato chileno, restaurante ou café. É como um universo paralelo. Lindo!

Pueblito Los Dominicos

Pueblito Los Dominicos

Pueblito Los Dominicos
Viajando no tempo, pegamos o metrô novamente, para ir do Pueblito para o moderno bairro Providencia, área comercial e gastronômica da cidade (descemos na estação Pedro de Valdivia).

Almoçamos no Hard Rock Café, no Costanera Center, maior prédio da América Latina.

Hard Rock Café Santiago
No bairro tem muitas lojas interessantes. Entre elas, destaque para a NOSTALGIC Vintage. Tipo galerias da Rua Augusta, em SP. Além dela, a galeria Drugstore, cheia de lojinhas bacanas. Tem livrarias, cafés, lojas de roupas e design. E o Café Rende Bú, com um espaço muito bacana, onde comemos um mil hojas (mil folhas) indescritivelmente gostoso!

Mil hojas e café no Rende Bú

Me deliciando com a mil hojas, no Rende Bú
Hora de voltar pro apê a arrumar as malas pra voltar pra casa no dia seguinte bem cedinho... E fomos a pé, por mais 6 km, pra aproveitar até a última migalhinha que pudéssemos de Santiago.

Em resumo, encaramos a pé, nesses 4 dias, em torno de 30 km, entre idas e vindas, que faríamos de novo e de novo! Os mapinhas vou colocar aí embaixo.

Despedida de Santiago, caminhando pelo Parque Forestal

Pontos de interesse que não visitamos:

- A zona baixa do bairro El Golf, conhecida como Sanhattan (mistura de Santiago e Manhattan), área financeira e hoteleira da cidade, com construções mais modernas. Nas imediações, restaurantes e cafés, e a Praça Peru, onde uma há uma feira de antiguidades aos domingos.

- Calle Viña Del Mar (bairro Providencia), onde há sobrados com cercas de ferro de art nouveau.

- Campus de Arquitetura, Desenho e Estudos Urbanos da Universidade Católica do Chile, localizado no casarão histórico da fazenda Lo Contador. Perto dali, o Museu Parque de las Esculturas.

- Santiago Parque Arauco, maior centro comercial do Chile, com restaurantes, lojas, cinema, teatro, boliche e pista de gelo.

- Estádio Nacional Julio Martínez Prádanos (Estadio Nacional de Chile)


- Passeios para Isla Negra, Valparaiso e Viña del Mar, fora de Santiago

MAPAS DE CAMINHADA

Dia 1

Dia 2 - Parte 1

Dia 2 - Parte 2

Dia 4 - Parte 1 (daqui, pegamos metrô)

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Parrilla La Recoleta, restaurante argentino em Perdizes

Já fazia muito tempo que eu queria escrever sobre o La Recoleta (homenagem ao bairro homônimo, um dos mais famosos e visitados de Buenos Aires). Amamos este lugar e já reprisamos várias vezes!

Então, pra fechar a “onda argentina” pela qual o Marido e eu passamos nas últimas semanas, num domingo desses fomos almoçar lá com os amigos.

Pra começar, a localização é tudo de bom, num dos bairros mais agradáveis de SP: Perdizes. O restaurante se destaca na Rua Caiubi: um casarão de 1929, tombado pelo patrimônio histórico.

Fachada do La Recoleta
Fachada do La Recoleta
Algumas das vezes em que fomos precisamos reservar. Dessa última vez foi mais tranquilo, mas é sempre bom garantir ;-)

“Salada Juliana” e “Arroz La Recoleta” sempre estão entre os acompanhamentos que pedimos para nosso “Bife Ancho”. Tudo muito bom! Não é dos mais baratinhos, mas dá pra ir de vez em quando sem comprometer muito o orçamento. E vale o quanto custa!

Salada Juliana - muito, muito boa!!!

Bife Ancho

Olha a "espessura" desse bife! Delicioso!
Eles tem opções tentadoras de sobremesas! Mas acabamos sempre caindo na Ofner, que fica na esquina, ou na Munik, que fica na mesma rua. Hoje, pra variar um pouco, fomos ao Café Raiz, a uns 10 minutinhos de caminhada dali, para um café e um bolo de cenoura incrível!

ä Rua Caiubi, 155 |Perdizes |São Paulo |SP |2506-8007 |2507-3960

Posts relacionados:



 

Caminito: empanadas argentinas na Zona Sul de SP

sábado, 1 de agosto de 2015

Caminito: empanadas argentinas na Zona Sul de SP

Depois que fomos conhecer o Moocaires, entramos em uma “onda argentina”. E empanadas também foram a bola da vez nas últimas semanas.

Fomos conhecer a Caminito, casa de empanadas localizada na zona sul de SP, com a fachada bem alegre e colorida, que fica bem numa esquina, o que faz lembrar bastante a rua-museu homônima de Buenos Aires.


Nos esbaldamos com as empanadas doces e salgadas. Os amigos gostaram bastante. Eu achei a massa um pouco “farelenta” (seca), mas tá valendo. O atendimento foi ótimo!

Empanadas salgadas no Caminito
Empanadas salgadas no Caminito
Empanada doce no Caminito
Para quem mora na região, há a opção de delivery, mas compensa ir até lá pra conhecer. O lugar não é muito grande, mas é uma gracinha! Na decoração, placas coloridas lembrando as placas de zinco que compõem a construção das casas no Caminito, painéis e quadros retratando a região, e alguns objetos lembrando a Argentina.

O ambiente interno do Caminito
Divide opiniões, mas vale a pena ir pelo menos uma vez pra tirar suas próprias conclusões ;-)

ä Alameda dos Indígenas, 83|Planalto Paulista | São Paulo | (11) 5055-0551/5055-0591

Posts relacionados:



 

Parrilla La Recoleta, restaurante argentino em Perdizes