Translate

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Bistrô Manah, no Tatuapé

Em uma casa antiga que se perde numa rua bem tranquila do Tatuapé, descobrimos o Bistrô Manah. E já reprisamos algumas vezes.

Testamos e aprovamos a Bruschetta Manah e o risoto de funghi com cubos de filé mignon.

De sobremesa, não deixe de experimentar a Manah (harumaki – “rolinho primavera” – de banana com bolo de chocolate com nozes, farofa, sorvete e calda quente de Nutella).

Também fomos lá para o almoço, quando experimentamos os pratos executivos (são cinco opções), que mantém a mesma qualidade dos pratos que pedimos das outras vezes.











O atendimento é ótimo e o ambiente muito charmoso e tranquilo. Som ambiente que não agride os ouvidos e harmoniza com o lugar, que é romântico, mas também descontraído para ir com poucos amigos ou família. A decoração intimista faz com que as características estruturais da casa antiga com pouca manutenção pareçam fazer parte, de propósito, da composição.

O preço é honesto, pela qualidade dos pratos e ambiente único.

Para o friozinho que chega, ótimo lugar para um fondue (eles servem várias opções, doces e salgadas)!

Consulte o cardápio completo clicando aqui.

Rua Santo Elias, 338 | Tatuapé | São Paulo | SP


Posts relacionados:


Le Vin: um pedacinho de Paris em São Paulo

 

Empório 33: um "achado" (literalmente!) em Guarulhos

 

Bistrot de Paris, em São Paulo

 

Fondue no Spazio Gastronômico, no Itaim Bibi

 




L’Entrecôte d’Olivier: o entrecôte da tia do chef

Filme: “Minha Vida de Abobrinha”

(Imagem: divulgação)
Hoje foi dia de “ver desenho” rs

Indicado para o Oscar como melhor animação, o franco-suíço “Minha Vida de Abobrinha” trata de forma delicada a questão da infância abandonada e institucionalizada.

O personagem central, Icare, que faz questão de ser chamado de “Abobrinha”, é um menino de nove anos que não conhece seu pai e que, após o falecimento de sua mãe, é acolhido em uma instituição.

O relacionamento dele com as outras crianças e a forma como elas são cuidadas são retratadas de maneira muito sensível – e às vezes engraçada – dando leveza ao filme, que aborda um tema tão delicado, sem deixar de fazer refletir.

O filme emociona sem exageros: não há grandes vilões, apelações dramáticas, nem excesso de otimismo.   

Ótima opção para adultos e crianças!

Assista o trailer.