Translate

domingo, 25 de maio de 2014

Pé de Manga, um oásis na zona oeste de São Paulo

O Pé de Manga era um lugarzinho do qual eu já havia ouvido falar algumas vezes, mas nunca tinha me disposto a ir. Anteontem o Marido e eu resolvemos conferir – e adoramos!

Escolhemos um dia “nada a ver” pra ir até lá: depois de uma longa estiagem, chovia bastante em São Paulo na sexta-feira à noite, mas estávamos decididos a conhecer o lugar, mesmo sabendo que não veríamos o melhor dele, já que a grande atração do bar e restaurante são justamente os imponentes pés de manga, ao ar livre. Em dias normais, as mesas ao redor das mangueiras são disputadíssimas. Naquela noite, os visitantes tiveram que se contentar com o espaço interno (coberto), que também não deixa nada a desejar!

O ambiente interno do Pé de Manga

O ambiente interno do Pé de Manga

O ambiente interno do Pé de Manga

No cardápio, bastante variado, petiscos, porções, sanduíches e pratos que homenageiam celebridades. Com a proximidade do inverno, eles estão servindo fondues e cremes no pão italiano. Dividimos um Tupac, prato de picanha grelhada, com arroz e fritas, que ainda acompanha vinagrete e farofa. Deu e sobrou. Mas, se você come “bem”, vai querer um só pra você.

Minha metade do Tupac

De sobremesa, um de-li-ci-o-so crumble de maçã com sorvete de canela. Imperdível!

Crumble de maçã com sorvete de canela

O atendimento é ótimo, e o cardápio, nem se fala, com opções pra voltar lá diversas vezes e nunca repetir!

Por causa da chuva, as fotos da área externa não ficaram muito boas, mas você pode conferir no site, seguindo o link lá em cima ou, melhor ainda, indo até lá! 










Rua Arapiraca, 152 – Vila Madalena

sexta-feira, 2 de maio de 2014

3 dias em Fortaleza, com Canoa Quebrada, Beach Park e Cumbuco

Nossa passagem por Fortaleza foi rápida: 3 dias. Ficamos na casa de amigos, então dessa vez não terei dicas de hospedagem...

Como estávamos com amigos, saíamos com o carro deles. A dica é alugar um carro. Mas atenção ao trânsito: lá é um pouco caótico e as leis de trânsito são muitas vezes ignoradas. Preste bastante atenção nos cruzamentos e não se assuste se o carro na sua frente de repente estacionar (mesmo!) no meio da rua. Mas nada insuperável rs

Chegamos numa quinta-feira à noite e fomos direto para o Dragão do Mar, centro cultural que reúne arte, cultura e gastronomia em Fortaleza. Com mais de 30 mil m2, o espaço abriga o Museu da Cultura Cearense, o Museu de Arte Contemporânea, o Teatro Dragão do Mar, as salas do Cinema do Dragão, o Anfiteatro Sérgio Mota, um Auditório e o Planetário Rubens de Azevedo. É lindo! A programação é, em sua maioria, gratuita ou com preços simbólicos.

Vou falar um pouquinho mais de lá mais pra frente, pois no último dia retornamos ao Dragão para um café.

No dia seguinte, fomos pra Canoa Quebrada, a cerca de 150 km de Fortaleza. A antiga vilinha de pescadores se tornou um dos principais pontos turísticos do Ceará, e hoje vive sempre muito movimentada e tem pousadas, restaurantes e barracas na praia pra todos os gostos. 

Não tem mais o encanto de ser um lugar quase inacessível, do qual minha mãe – que conheceu Canoa nos anos 80 – sempre falava, mas é simplesmente lindo!

A primeira dica é o passeio de buggy que, logo ao chegar lá, marcamos para as 16h, pra poder finalizar com a vista do pôr do sol. Não se esqueça de se certificar de que o buggy seja credenciado, isso com certeza vai fazer com que você se sinta mais seguro! Em média R$ 150.

Fomos almoçar no El Argentino. Delicioso! Fica no final da Broadway, rua principal da cidade, onde ficam pousadas, bares e restaurantes, além de comércios e da biblioteca da cidade. Tem de tudo um pouco.

A entrada da Broadway de Canoa Quebrada

Broadway

Banca de Tapioca, na Broadway

Biblioteca Comunitária de Canoa Quebrada

Finalzinho da Broadway, com o mar ao fundo

Depois fomos para a praia. A vista é maravilhosa! Nem o excesso de barracas, mesas, cadeiras, vendedores, turistas, ofusca a beleza do lugar!

Canoa Quebrada

Canoa Quebrada

Canoa Quebrada

Canoa Quebrada

O passeio de buggy foi fantástico! Vale a pena porque chegamos a lugares em que dificilmente chegaríamos a pé ou com carro normal. Nos divertimos muito na tirolesa e no “esquibunda” que há no caminho! R$ 12. No mais, muita emoção nas dunas e a paisagem deslumbrante de Canoa. Pra finalizar, o pôr do sol num lugarzinho específico, onde muita gente se aglomera pra ver a noite chegar.

Canoa Quebrada
A meia-lua e a estrela, marca registrada de Canoa Quebrada
Canoa Quebrada
Canoa Quebrada
Tirolesa, em Canoa Quebrada
Tirolesa, em Canoa Quebrada
"Esquibunda", em Canoa Quebrada
Canoa Quebrada
Fazendas de Camarão, em Canoa Quebrada
Canoa Quebrada
O pôr-do-sol, em Canoa Quebrada
Pessoas se aglomeram para ver o pôr-do-sol em Canoa

Depois do passeio, retornamos à Broadway, onde fomos ao surf café Wind Fun, para um açaí e outras delícias do cardápio “natureba” deles (lanche natural, bolo integral de banana etc.). O ambiente também é muito bacana!

Wind Fun

Wind Fun

Wind Fun

De volta a Fortaleza, sorvete na San Paolo Gelato Gourmet. Leite Ninho, Nutella e morango são sabores que experimentei e recomendo!


No segundo dia, Beach Park. Entrada salgadinha: R$ 170 (adulto, para 1 dia). Mas tínhamos que aproveitar a oportunidade! Para os mais corajosos, Insano e Arrepius são atrações imperdíveis. Atenção aos dias de maior movimento, pois as filas ficam enormes. Esses ficaram por conta dos meninos. Nós, meninas não tão corajosas, aproveitamos todo o resto.

Entrada do Beach Park

Saímos do parque para o almoço (é necessário pegar um crachá específico antes de sair, se você pretender voltar), pois as coisas lá dentro são bastante caras. Fomos até o Texas Steakhouse. O atendimento é ótimo e a comida excelente!!!

Texas Steakhouse
Texas Steakhouse
Nossos "pratinhos" no Texas Steakhouse

No fim da tarde, no caminho de volta, paramos no Centro das Tapioqueiras. Agora sim, gastronomia típica!!! Tapioca de tudo que é jeito: morango com chocolate, banana com chocolate, coco com leite condensado, manteiga etc. etc. E cuscuz, que também não poderia faltar. Tudo delicioso! E eles servem uma garrafa de café de graça, que lá é super comum.

Centro das Tapioqueiras
Tapiocas e cuscuz no Centro das Tapioqueiras 

No terceiro dia, fomos para Cumbuco, a cerca de 30 km de Fortaleza. Lá, fizemos o passeio mais longo de buggy (costuma ter um de 1h e outro de 2h). Bem salgadinho: cerca de R$ 210. Aqui, vale mais uma vez a dica de procurar os bugueiros credenciados. Digo isso com conhecimento de causa. Acabamos pegando um não credenciado, que tornou nosso passeio um pouco menos divertido: além de caro, o carro estava ruim (teve que ser trocado no meio do caminho), e o bugueiro simplesmente não nos indicava nada sobre os lugares por onde passamos. De qualquer forma, o lugar é lindo demais!

Cumbuco
Cumbuco
Cumbuco
Cumbuco
Kitesurf, em Cumbuco

Em Cumbuco mesmo, almoçamos no Sabor da Praia Grill. Comida e preço ótimos!

No fim do dia, retornamos ao Dragão do Mar, onde estava acontecendo uma apresentação gratuita de chorinho, ao som do qual passeamos pela feirinha, cheia que coisinhas “diferentes” que eu adoro!


Show de chorinho, no Dragão do Mar
Feirinha no Dragão do Mar
Restaurantes no Dragão do Mar

Depois, subimos pro Santa Clara Café. Café, cappuccino com nutella, bolo de chocolate, cuscuz com leite, cuscuz com queijo coalho, caldo de espinafre... tudo num ambiente muito aconchegante. Se você, como eu, é apaixonado por café e cafeterias, não deixe de conferir!

Santa Clara Café, no Dragão do Mar
Santa Clara Café, no Dragão do Mar
Algumas das delícias do Santa Clara Café

De lá, ainda fomos pra Feirinha da Beira Mar. Artesanatos, roupas, calçados, acessórios, comidas e bebidas típicas... Dá pra passar um bom tempo andando pela feirinha.

Hora de ir embora... Três dias é muito pouco, não preciso nem dizer. Da outra vez, há três anos, pudemos conhecer alguns outros lugares, entre eles, Mundaú, Morro Branco, Pirata Bar, Chico do Caranguejo, Lupus Bier, Mercado Central, Centro de Turismo, Ponte dos Ingleses... Praias lindas, shows de humor, comidas típicas, passeios de buggy e de pau-de-arara, paisagens de sertão... Há muito mais do Ceará para ver e conhecer! 

Posts relacionados:


 

Bar e Restaurante do Compadre, em Guarulhos

 

“Tem Coragem?”: mais da gastronomia nordestina em Guarulhos

 

2 dias (e meio) em Natal/RN

 

3 dias em Belo Horizonte, com Ouro Preto, Mariana e Inhotim

 

Natal na Serra Gaúcha: 4 dias em Gramado, Canela e Nova Petrópolis